O que é shelf life de alimentos?

escrito por Eduardo Silva Última atualização: 8 novembro, 2019
O que é shelf life de alimentos?

Shelf life é o tempo de prateleira, o prazo de validade ou vida útil de um determinado produto. Quando falamos de shelf life de alimentos, falamos do prazo em que um determinado produto alimentício poder ser armazenado até perecer.

Estimar a vida de prateleira não é uma tarefa simples. É necessário ter o máximo de informações sobre o produto. Por exemplo: a composição, qual seu mecanismo e decomposição, e demais fatores relacionados ao armazenamento.

Agora que você já sabe sobre a definição de shelf life, vamos anunciar 5 dicas para controlar o shelf life de alimentos da melhor forma possível:

  • Saiba estocar
  • Aprenda a calcular o shelf life
  • Exposição FIFO
  • Inove na exibição
  • Saudabilidade com GC

Vamos aos detalhes de cada uma delas?

#1 É PRECISO SABER ESTOCAR

Como você deve imaginar, o tempo de prateleira tem início na fase final da produção e termina no momento em que ele se torna impróprio para o consumo.

Com isso em mente, vamos imaginar as etapas de produção da seguinte forma:

controlar shelf life de alimentos

A nossa primeira dica é sobre o armazenamento. Ele se faz necessário após a produção, logo depois da manipulação. O armazenamento é a etapa da estocagem. Este período é limitado por fatores controláveis e incontroláveis, de acordo com o tipo de alimento.

O produtor é quem deve identificar estes fatores e informar ao distribuidor ou vendedor o melhor processo possível para proteger o produto durante a etapa do armazenamento.

É durante a estocagem e distribuição que o produto pode alcançar um estado indesejável. Durante esse processo, o produto fica exposto a diferentes condições ambientais, como temperatura, umidade, influência solar e demais fatores que podem disparar reações ligadas à deterioração do produto.

É importante termos em mente que produtos do ramo alimentício são naturalmente perecíveis. A opção que temos é por controlar o shelf life de alimentos, e não manipulá-lo. Alguns fatores que indicam quando o alimento está acelerando sua validade são perceptíveis durante o armazenamento, por exemplo:

Crescimento microbiológico

É ligado ao desgaste precoce do alimento. Basicamente o desenvolvimento microbiano em alimentos ocorre quando os microrganismos chegam aos alimentos. Se as condições forem favoráveis, acabam se multiplicando e podem provocar desde infecções alimentares até intoxicações quando o alimento for consumido.

Para evitar que isso afete o shelf life, é necessário estar atento durante a estocagem e criar condições desfavoráveis para o crescimento microbiológico, como: controle de umidade, pH e temperatura.

Mudanças químicas

Quando não armazenados da forma correta, conforme as indicações do produtor, os alimentos podem sofrer alterações químicas como a perda de nutrientes, alterações de cor e, até mesmo, sabor.

Mudanças pela luz

A luz pode ser benéfica em vários sentidos, como no combate à umidade, citado no tópico anterior, mas também pode acelerar o processo de rancificação.

Avaria

Danos físicos, como embalagens perfuradas, amassadas ou danificadas, podem favorecer o desenvolvimento microbiano e contribuir para o perecimento precoce.

#2 APRENDA A CALCULAR O SHELF LIFE

Em caso de dúvidas ou suspeitas, você pode questionar o shelf life de um alimento, desde que repasse o resultado dos testes ao produtor. Este tipo de construção não é feito para obter vantagens, mas para otimizar o shelf life e ajudar a confirmar ou contestar os testes já ensaiados.

Há dois métodos principais para se estimar o shelf life:

DIRETO

O produto é estocado sob condições pré-estabelecidas por um prazo superior ao estimado na prateleira. Geralmente, este modelo baseia-se em 5 passos:

Identificação:

Identificar fatores ligados à deterioração do alimento.

Classificação

Classificar as causas mais frequentes de deterioração que afetam o shelf life.

Planejamento

Determinar os testes a serem feitos.

Estudo de prateleira

Simular o cenário da prateleira e testar todas as variáveis que conseguir imaginar.

Monitoramento

Testar frequentemente e testar novamente com outras variáveis e outros cenários. É um processo elíptico, não circular. Ele nunca deve ter um fim.

INDIRETO

Com a necessidade de criar lançamentos a cada instante, a indústria realiza testes de prateleira de forma acelerada.

O método indireto, basicamente, é quando condensamos os passos do método direto em testes que podem ser executados em poucos dias. O período de armazenamento acaba sendo diminuído devido ao aumento da taxa de deterioração. Geralmente, o fator extrapolado é a temperatura de armazenamento. Ela exerce influência direta sobre várias reações.

#3 EXPOSIÇÃO FIFO PARA CONTROLAR O SHELF LIFE DE ALIMENTOS

Outra dica que pode ajudar o seu trade a otimizar o shelf life é utilizar a regra FIFO. Acrônimo para First In, First Out, que em português significa “o primeiro a entrar, o primeiro a sair”, refere-se a estruturas de dados do modelo fila. É o oposto da regra LIFO, que significa Last In, First Out, em pilhas.

Em resumo, considere a regra FIFO para produtos enfileirados e a regra LIFO para produtos empilhados:

controlar shelf life de alimentos

É importante atentar-se à regra FIFO para evitar a ruptura e orientar o shopper a buscar o produto de forma rotativa.

A ideia fundamental da fila é que só podemos inserir um novo elemento no final da fila e só podemos retirar o elemento do início. Caso não exista a recolocação do produto, o giro do produto tende a ser menor, aumentando as chances de perecimento do alimento.

#4 INOVE NA EXIBIÇÃO

Quanto mais atenção um produto chamar,  mais rápido ele irá sair da prateleira. Ou sendo ainda mais objetivo, a unidade de um produto parado na prateleira é dinheiro parado. Ele deve ser girado. Por isso, é importante investir em uma execução diferenciada no PDV.

Como exemplo, posso citar a geladeira do futuro da Vigor. Confira o vídeo abaixo.

#5 SAUDABILIDADE COMBINA COM GC

Sabe aquela máxima “você é o que você come”? É um velho ditado que diz respeito à nossa alimentação e emula a nossa imagem como uma semelhança às nossas refeições. Pois bem, ela nunca esteve tão presente no cotidiano. A saudabilidade é um termo em alta e a procura por alimentos de temática saudável é crescente. O consumidor mudou seus hábitos alimentares e o shopper, na inércia, mudou seus hábitos de compra.

O problema é que produtos desta categoria enfrentam um enorme desafio quando falamos de shelf life. A solução para otimizar a vida útil de produtos de temática saudável é ambientá-los por categoria de forma que o shopper os encontre de forma rápida e, assim, o giro de produtos seja acelerado evitando o perecimento.

Em suma, a lógica é simples: agrupe produtos de acordo com as necessidades deste público, já que o consumidor desta linha apresenta características claras, como a busca por produtos saudáveis.

Não se esqueça de incluir regras de shelf life no seu guia de execução. E, por falar nisso, que tal se aprofundar nesse assunto, também? Acesse o eBook:

1 comentários

Helder Rocha 13 novembro, 2019 - 10:34

Prezado Eduardo,
Gostei da forma como fez a abordagem do tem. Simples e objetivo,
Parabéns

Reply

Deixe seu comentário