Software próprio de trade marketing: vale a pena?

escrito por Jana Meneghel Última atualização: 21 outubro, 2019
Software próprio de trade marketing: vale a pena?

Contratar um software especializado ou desenvolver uma versão própria? Essa é uma dúvida que afeta muita gente no mercado corporativo – e com razão.

Em tempos de transformação digital, não há muitas saídas a não ser apelar para um sistema de trade marketing. Afinal, são soluções que oferecem uma ampla gama de benefícios – tanto à empresa contratante quanto aos colaboradores e clientes.

A verdade é que aplicativos de trade marketing são como aliados para o sucesso das operações. As principais vantagens dos apps especializados incluem:

  • agilidade no controle de visitas
  • roteirização mais inteligente
  • relatórios emitidos em tempo real
  • alertas automatizados
  • dados sincronizados entre campo e backoffice
  • visão detalhada da execução
  • serviços de business intelligence
  • aumento da produtividade
  • menores índices de falhas
  • dashboards personalizados

O Agile Promoter, que agora é Involves Stage, por exemplo, é uma solução desenvolvida pela Involves. Hoje, conta com uma cartela de quase 500 clientes, tem mais de 50 mil licenças ativas e está em 19 países.

Tamanha abrangência comprova que as operações de trade marketing apresentam cada vez mais necessidades específicas, resultados assertivos e ações inteligentes e personalizadas.

SOFTWARE DE TRADE MARKETING: CRIAR OU TERCEIRIZAR?

Não há dúvidas de que as soluções de trade marketing oferecem várias vantagens para a operação como um todo. Muitos questionam se é realmente mais vantajoso contratar uma solução de terceiros ou se o ideal é desenvolver uma ferramenta própria – seja com time alocado na empresa ou contratado especialmente para este fim.

Me arrisco a dizer que, no momento atual do mercado e com a ascensão dos negócios SaaS (software as a service), a maioria das empresas não são presenteadas com o ROI desejado em soluções customizadas.

Isso se deve a uma série de razões:

#1 É um processo caro

Construir uma solução robusta e que esteja preparada para atender a todas as necessidades da organização não é assim tão simples. O processo é demorado e bastante custoso.

De início, existem muitas incertezas em torno dessa personalização. E não pense que um programador basta para compor a equipe. Uma solução de qualidade não é só TI. Exige o envolvimento de profissionais de diversas áreas – produto, design, suporte e desenvolvimento são as principais delas.

#2 Ninguém acerta de primeira

Desenvolver uma solução de trade marketing é um grande jogo de tentativa e erro. É uma disciplina complexa justamente por não conseguirmos prever todos os cenários possíveis. Portanto, bugs vão acontecer – e vão acontecer com frequência.

Pedro Galoppini é nosso CPO e, segundo ele, “maturar um produto digital requer tempo e muita dedicação. Ainda assim, sempre haverá algo para ser melhorado”.

#3 Capacidade pode comprometer qualidade

Durante a concepção de um software de trade marketing, nem sempre conseguimos projetar o volume de dados que será gerado no decorrer do uso. Depois de algum tempo, pode ter certeza que o sistema ficará mais lento e apresentará momentos de instabilidade que podem comprometer sua operação e seu relacionamento com clientes.

Para que isso não se torne um problema no futuro, é essencial que exista uma equipe dedicada exclusivamente às melhorias de performance da solução. Seu produto nunca estará 100% pronto.

#4 É preciso dominar a área

Conhecimento é a base para o sucesso do desenvolvimento de apps de trade marketing. Ao optar pela terceirização de softwares especializados, você certamente terá um time com know-how por trás de toda a operação.

Pegando a Involves como exemplo, pense em toda a experiência acumulada com o passar dos anos, desde que o Involves Stage começou a ser desenvolvido, lá em 2010. A cada cliente conquistado, a equipe encontrou novos cenários, novas oportunidades e novos pontos de melhoria. A solução foi (e ainda é) moldada aos poucos.

Toda a expertise também faz parte do pacote. E esse background agrega à experiência do cliente com a ferramenta. Mais importante: conhecimento não tem custo, tem valor.

O EXEMPLO DA VERDE CAMPO

É claro que largar o osso é difícil. Uma empresa que trabalha com softwares próprios certamente defende a ideia de customização da solução. Afinal, quando um produto é desenvolvido internamente, fica muito mais fácil moldá-lo de acordo com as necessidades atuais da organização. E tudo bem. É um cenário que funciona em alguns casos.

Acontece que a manutenção de uma ferramenta própria é de grande responsabilidade e, acredite, não é para qualquer um.

A Verde Campo recentemente trocou um software próprio por uma solução terceirizada.

Hoje, utiliza o Involves Stage para todas as suas operações de trade marketing. A decisão foi tomada quando o time de execução percebeu algumas carências durante o trabalho externo.

Apesar de funcionar bem para a área de vendas, o sistema antigo não conseguia suprir as necessidades do campo. No cenário anterior, muitas das informações não eram precisas, o que gerava impacto negativo nos relatórios de gestão.

As informações são de Glaucia Ragassi, gerente nacional de trade marketing da marca, que reúne no currículo outros nomes de peso, como The Coca-Cola Company, Marilan Alimentos, Unilever e Laticínios Tirol.

Há três meses ela responde pela gestão das equipes de planejamento e execução da Verde Campo. Quando assumiu o desafio, o Involves Stage já estava em uso na empresa.

Segundo ela, um dos grandes diferenciais do software terceirizado é o fácil manuseio. “É simples de operar e gera as informações que precisamos de forma rápida e intuitiva. Tanto os profissionais que trabalham em campo quanto os responsáveis pela gestão estão bem satisfeitos com essa terceirização,” revela Glaucia.

Atualmente, a empresa conta com backoffice formado por dois supervisores de planejamento e execução, mais seis analistas, além de 12 supervisores de campo e 180 promotores próprios – sem contar os terceirizados. O atendimento é feito em todo o território nacional nas categorias de queijos, pastas e iogurtes

ESCOLHENDO A SOLUÇÃO IDEAL

Em artigo publicado com exclusividade no LinkedIn, nosso CPO dá algumas dicas sobre quais pontos considerar na hora de escolher a melhor solução para o seu negócio. Antes de sair por aí tomando uma decisão sem bases concretas, certifique-se de usar ao menos alguns desses tópicos como indicadores:

  • Indicações e cases de sucesso

Quem já utiliza o software que você está considerando implantar na empresa? Descubra alguns contatos de confiança e marque um bate-papo para trocar informações e obter feedbacks. Pergunte sobre pontos positivos e negativos. Se possível, solicite uma demonstração para analisar questões como navegabilidade, recursos e funcionalidades.

  • Segurança e privacidade

Como estamos falando sobre armazenamento em nuvem, relatórios estratégicos e informações muitas vezes confidenciais, verifique as questões técnicas relacionadas à segurança e privacidade de dados. Quais são as garantias que o software oferece nesse sentido?

Aqui também vale uma pesquisa detalhada com clientes e ex-clientes, publicações na mídia e comentários em postagens relacionadas. Na dúvida, questione!

  • Proposta de valor

Fuja de soluções genéricas. Dê preferência àquelas que tenham sido desenvolvidas exatamente para o seu ramo de atuação e que estejam de acordo com as propostas mais promissoras do mercado.

Saiba quais são as dores da sua equipe e o que um software de trade marketing precisa ter para resolvê-las. Coloque na balança suas expectativas e necessidades versus a realidade daquilo que pode ser feito na prática.

  • Referência no mercado

Dependendo do seu orçamento ou do momento atual da empresa, custo pode ser um fator decisivo na escolha de uma solução de trade marketing. Independentemente no budget que tem para investir, pense que você não quer contratar apenas um software. Você e sua equipe querem mais que isso.

Sozinho, um aplicativo não existe. É preciso que exista uma bagagem por trás de cada etapa de implantação, usabilidade e acompanhamento. A empresa contratada, seja para desenvolver um software próprio ou terceirizar o serviço, precisa te ajudar a atingir um nível maior de maturidade em suas operações.

Para que os resultados sejam positivos e promissores, vocês precisam caminhar juntos!

  • Escalabilidade e integração

Não pense somente nas suas necessidades hoje. Antes de escolher o melhor software de trade marketing para a sua realidade, imagine o cenário dos próximos anos. Aonde você quer chegar e o que a solução precisa ter para que você atinja seus objetivos?

Busque por plataformas que permitam integrações, customizações e novas funcionalidades. Só um software escalável conseguirá acompanhar o seu ritmo de crescimento e entregar resultados de acordo com a realidade do mercado.

  • Custo-benefício

Por fim, faça uma análise minuciosa da relação de custo-benefício. O que o software oferece para suas operações de trade marketing? Pense que os valores por licença variam bastante entre concorrentes. Mas, dentre eles, qual será aquele realmente capaz de superar suas expectativas?

Não aposte em incertezas, nem submeta sua empresa a riscos desnecessários. Este é um caminho que você quer seguir sem medos. Informe-se, compare, fale com clientes, tire dúvidas, estude casos e faça testes.

A verdade é que não existe uma fórmula mágica no momento de escolher o software de trade marketing mais adequado para suas estratégias de negócio.

O segredo está em encontrar uma solução que se encaixe com a necessidade da sua empresa, que esteja disponível quando o seu time estiver pronto para adotá-la e que caiba no seu orçamento de forma sustentável.

O Involves Stage é referência no Brasil em se tratando de inovação, resultados e comprometimento. Aproveite para conhecer melhor a solução e converse com um de nossos consultores caso precise de mais informações.

1 comentários

Wesley Alves
Wesley Alves 6 maio, 2019 - 11:18

Artigo bastante explicativo, sensacional.

Reply

Deixe seu comentário