Inteligência artificial no varejo e a relação com trade marketing

escrito por Letícia Mathias Última atualização: 18 novembro, 2019
Inteligência artificial no varejo e a relação com trade marketing

Sempre que ouvimos falar em tendências, a tecnologia está presente. Olhando para indústrias, varejo e consumo, uma necessidade une todas as frentes é a inteligência. Como o objetivo final é o sell-out, quem trabalha com trade marketing precisa estar atento: precisamos falar de inteligência artificial no varejo.

Dentre as práticas ligadas à inteligência, o reconhecimento por imagem no PDV é uma das soluções que mais tem se destacado no mercado. No trade marketing não é diferente. Indústria e varejo coletam e solicitam cada vez mais informações.

Ao mesmo tempo, necessitam que o tempo investido na coleta dessas informações seja reduzido. Neste conteúdo, nossa proposta é que você conheça mais sobre:

  • Problemas que o reconhecimento por imagem resolve;
  • Como aumentar a produtividade e reduzir o tempo de execução;
  • Benefícios para trade marketing, indústria e varejo.

As ações dos concorrentes e o comportamento de compra mudam rapidamente. Nessa dinâmica, as informações se tornam perecíveis. Mas, se esse volume de dados, gerados todos os dias, for usado de forma inteligente, é possível melhorar estratégias, gerar mais vendas e otimizar recursos.

A competitividade do cenário atual faz com que a velocidade para verificar situações em campo e o tempo resposta das empresas ao que acontece no ponto de venda seja diferencial, tanto para a relação com o varejo como também ao consumidor.

Dados precisos por meio de imagens reais do PDV

Até 2021, segundo estudo publicado pela Market and Markets, a perspectiva é que o investimento no mercado de reconhecimento por imagem chegue a US$ 38,92 bilhões, com aplicação em várias áreas e tecnologias para dar suporte a esse crescimento.

Gabriel Menezes, co-founder, CRO e diretor da área de pesquisa e desenvolvimento da Involves cita exemplos práticos do uso e benefícios de inteligência artificial no varejo:

Na otimização de estoques, por exemplo, um grande problema é saber como minimizar a perda de vendas por falta de produtos e, ao mesmo tempo, não ter muito estoque imobilizado. Tecnologias que usam a Inteligência Artificial podem auxiliar oferecendo soluções”.

O mercado precisa desse tipo de tecnologia para promover experiências direcionadas ao shopper-consumidor. A busca é por dados mais precisos do PDV e, a partir daí, é possível aprimorar a experiência do cliente.

Ganham os dois lados: shopper, porque encontrará o produto nas melhores condições, e o mercado, beneficiado com as vendas, melhoria de estratégias e maior competitividade.

O trabalho dos promotores ainda é bastante manual. Contar com um sistema de trade marketing que tenha tecnologia de inteligência artificial para o varejo e acelere esse processo, torna a rotina menos onerosa e no ritmo que a demanda exige

Benefícios para o trade e execução no varejo

Avaliando essa necessidade do mercado a Involves desenvolveu uma tecnologia de reconhecimento por imagem para garantir uma melhor execução no PDV.

A solução permite extrair informações dos produtos expostos em gôndolas a partir de uma foto, reconhecendo itens da categoria, de acordo com os SKUs (Stock Keeping Units) próprios da indústria ou concorrentes.

Após um período de aprendizado, o sistema é capaz de identificar, com precisão de 96%, indicadores relacionados à exposição no ponto de venda, quantidade de produtos expostos, share por tipo de produto, metragem ocupada por categoria e por marca.

Além disso, essas informações podem ser relacionadas e gerar insights para compreender o comportamento do mercado de atuação da indústria, compliance de contratos com o varejo e ações da concorrência.

A primeira demonstração foi realizada em uma ação durante a APAS Show 2019, reconhecida mundialmente como a maior feira supermercadista da atualidade e rendeu à Involves o prêmio de melhor ação de estante.

Na ocasião, os visitantes podiam fazer a contagem de frentes na gôndola em um tempo cronometrado e depois tinham acesso ao software de reconhecimento por imagem para fazer a comparação de tempo e precisão na identificação dos produtos.

Durante os dias de exposição, com uma gôndola organizada com 34 frentes de 7 SKUs diferentes, foi possível constatar que a média de tempo de contagem manual na gôndola foi de 55 segundos.

Com a tecnologia de reconhecimento de imagem da Involves, o mesmo resultado foi obtido em apenas dois segundos. Isso representa 53 segundos em ganho de produtividade, um trabalho 20 vezes mais produtivo para os promotores de venda.

Em um ponto de venda real, os produtos nem sempre estarão tão bem distribuídos na gôndola, além de geralmente estarem em maior quantidade, o que aumenta o tempo gasto na coleta dos dados de forma convencional.

Com o reconhecimento por imagem, não há diferença de tempo no processamento das informações. O ganho de produtividade é ainda maior no dia a dia do promotor, especialmente em ações de categorias complexas e com grande quantidade de SKUs.

É uma questão estratégica. Além de otimizar o tempo, a solução imprime mais confiabilidade aos dados coletados no ambiente de compra e pode indicar as perguntas certas a serem feitas, direcionando o projeto de loja perfeita e posicionamento no ponto de venda.

A soluções tecnológicas estão aí para trabalhar a favor das operações do mercado e possibilitam inovação do conceito, de acordo com novas demandas que surgem e eram desconhecidas até o início da operação.

As máquinas já podem enxergar, processando e interpretando a realidade para que foram treinadas. Quem está nesse mercado volátil e complexo não pode fechar os olhos diante das transformações.

E você, já parou pra pensar sobre a importância da inteligência artificial no varejo? Conte pra gente! Se quiser saber mais, inscreva-se no nosso webinar sobre o assunto e saiba como fazer a leitura completa da gôndola em apenas dois minutos!

Deixe seu comentário