7 comandos de Rodrigo Pimentel para construir tropas de elite

escrito por Eduardo Silva Última atualização: 22 outubro, 2018
7 comandos de Rodrigo Pimentel para construir tropas de elite

Neste post, eu gostaria de compartilhar com você os insights que pude extrair de uma das palestras que mais chamou a minha atenção durante o AEx 2017.

Estou falando do conteúdo apresentado por Rodrigo Pimentel, ex-membro do Bope e roteirista dos filmes Tropa de Elite e Tropa de Elite II: “O inimigo agora é outro”.

Nas próximas linhas você irá aprender sobre:

  • O sentimento de dono;
  • A previsibilidade;
  • A perseverança;
  • Temática e simbolismo;
  • O reconhecimento;
  • A Inteligência;
  • O que todo time de elite faz.

O SENTIMENTO DE DONO: TRAZER PARA SI

Logo no começo do discurso, Pimentel contou um causo curioso sobre gestão de RH.

Segundo ele, houve um conflito entre dois atores: André Ramiro e Wagner Moura. A empresária de Ramiro o procurou e o questionou para entender por que no camarim de Wagner havia uma mesa repleta de frutas enquanto que na mesa de André havia apenas café e água.

A razão da mesa de Moura estar farta era uma só: foi ele mesmo quem preparou as frutas.

Pimentel conta que resolveu a questão com o sentimento de dono, ou seja, trouxe a responsabilidade para si. Ele foi até o camarim de Moura e repartiu algumas frutas com a empresária de Ramiro.

Num outro dia, a empresária de Ramiro o procurou novamente para informar que precisava conversar sobre as condições de locomoção de seu cliente. Enquanto Wagner Moura ia trabalhar de carro importado, o André Ramiro ia de transporte público.

Só que havia um detalhe: o carro era próprio de Wagner, comprado com o dinheiro de seu trabalho.

E o sentimento de dono entrou em cena novamente. Pimentel entrou em contato com Wagner e pediu para ele acordar mais cedo e buscar Ramiro em casa. Problema resolvido.

A lógica do sentimento de dono, segundo Pimentel, é evitar que o problema tome proporções incontroláveis. Para isso, devemos trazer o problema para a gente e resolver na hora em que forem detectados.

Fica a dica para todas as equipes: por que deixar um problema chegar ao gestor quando é possível resolvê-lo?

Eu resolvo o problema, não deixo chegar até o meu diretor.”

Rodrigo Pimentel.

A PREVISIBILIDADE: COMPARTILHAR

Nem sempre conseguimos segurar a bronca em nossas mãos, muitas vezes é perceptível quando uma situação pode sair do controle e causar estragos mais à frente. Nesses casos, o sentimento de dono deve ser apenas um meio de abafar o problema e não será o suficiente para solucioná-lo.

Segundo Pimentel, nestas horas deve entrar em jogo o conceito de previsibilidade.

A previsibilidade consiste em compartilhar o problema de forma transparente mostrando ao seu superior e comandados que o problema deve ser resolvido logo, afinal é previsível que algo ainda pior possa acontecer.

No caso, a saída foi uma sugestão do diretor do filme, José Padilha, como você pode ver no vídeo abaixo:

PERSEVERANÇA: O DOM DO RONALD MCDONALD

Ficou curioso sobre o Ronald McDonald? É a ele mesmo a quem me refiro, o palhaço do McDonald’s.  Confira o vídeo:

Muitas vezes não temos a perícia necessária para a aplicação de determinada atividade, mas isso não pode nos estagnar. Como disse Pimentel, o conhecimento deve ser buscado. O mais importante de tudo é a força de vontade. Quem quer, vai atrás.

Assim como a abordagem é válida numa análise interna, também serve para nossos comandados. É comum, na posição de líder, não conseguirmos enxergar todas as peculiaridades e habilidades de nossos colaboradores. Na situação do filme, José Padilha viu futuro em Sandro, o Ronald McDonald. Assim também devemos ser no dia a dia, devemos observar e acreditar em nossos colaboradores. Tudo é impossível até alguém transformá-lo em possível.

Pimentel complementa sobre a perseverança:

TEMÁTICA E SIMBOLISMO: VÁ E VENDA!

Até o momento, falamos de aspectos que têm muito a ver com a rotina e a expectativa de ações de trade marketing.

Este comando pode inspirar um diferencial para sua equipe.

Segundo Pimentel, o lema do BOPE não é “missão dada é missão cumprida”. O mote foi criado exclusivamente para o filme.

O lema do BOPE é: Vá e vença!

Os Mandamentos do BOPE carioca são:

• Agressividade controlada

Todo soldado deve ter garra, mas a sua agressividade deve ser proporcional ao seu domínio de situação. Deve assumir seu objetivo e fazer de tudo para alcançá-lo desde que mantenha o controle;

• Controle emocional

Assumir o controle é não perder o foco e ser o dono da situação. A concentração é fundamental para aguentar situações críticas de estresse;

• Disciplina consciente

Não basta fazer. Deve haver consciência do que se faz e o motivo da ação;

• Espírito de Corpo

Todo soldado é uma célula de um grande organismo. Toda dor sentida por um é sentida por todos, toda alegria celebrada por um é celebrada por todos;

• Flexibilidade

O destino é incerto e o dia a dia é repleto de variáveis que estão fora de nosso controle. Toda operação deve ser planejada, mas deve ser adaptada dependendo da aplicação para que se possa cumprir o objetivo final com excelência;

• Honestidade

A transparência é sinônimo de confiança. Um soldado honesto inspira os demais e eleva a moral da equipe;

• Iniciativa

No BOPE, cada segundo conta e ficar parado não faz parte da rotina da tropa. Quem quer faz e não espera acontecer;

• Lealdade

Ser leal é estar ao lado do outro não importando a circunstância. Em contrapartida é bom saber que mesmo nas mais adversas das situações você terá alguém do seu lado;

• Liderança

Liderar é ser o número um. É ser o melhor dos melhores. Se alguém faz, o soldado do BOPE vai e faz melhor;

• Perseverança

A derrota pode acontecer. Ela é temporária, mas desistir não é uma opção. A persistência é o ímpeto dos vencedores. Quem persevera alcança sua meta mais cedo ou mais tarde;

• Versatilidade

A versatilidade é a qualidade de fazer diferente. Quando se diz que o soldado é versátil significa que ele é entendido naquilo que for preciso;

O curioso é que podemos pegar estes conceitos e aplicá-los à gestão de equipe, controle operacional e até mesmo gerenciamento de projetos. O BOPE é inspirador porque é capaz de transmitir conhecimentos por meio de sua temática e seus símbolos.

O símbolo identifica quem pertence ao time.

Nos anos 80, o BOPE adotou como símbolo a cor preta, representando o luto, ornado por uma borda em vermelho, representando o sangue derramado no dia a dia. No centro do disco há uma caveira por simbolizar a morte, com uma faca de combate a cravando de cima para baixo, representando a vitória sobre a morte em combate. Por trás da caveira há duas garruchas Harpers Ferry 1806, calibre .54 que são armas símbolo da polícia militar brasileira.

RECONHECIMENTO: TODOS TÊM SEU VALOR

Segundo Pimentel, a maior causa de stress policial no mundo não é a sobrecarga de trabalho, nem o baixo salário. É a falta de reconhecimento.

O dado corrobora com o estudo recente feito pela ISMA (International Stress Management), ele revela que 89% dos profissionais emitem queixas de estresse por motivo de não serem reconhecidos no ambiente de trabalho.

A falta de reconhecimento profissional é claramente identificada quando o comandado é dedicado dentro da sua função, consegue bons resultados e mesmo assim não recebe um feedback positivo dos seus líderes. Além disso, também não consegue promoções ou aumento salarial. É como se o seu trabalho fosse indiferente. A insatisfação é uma consequência disso seja no BOPE ou em qualquer empresa.

INTELIGÊNCIA: COMANDO, CONTROLE E ANÁLISE

A inteligência é aspecto vital em qualquer operação bem sucedida. A operação inteligente é aquela com o menor valor de investimento possível mediante as necessidades e o maior retorno possível do investimento.

De acordo com Pimentel, uma operação inteligente depende de 3 fatores:

COMANDO

O comando é a ordem e numa ordem não pode haver dúvida. Se a ordem é dada ela deve ser certeira e ter um objetivo bem definido.

Para haver o comando é necessário estudar, planejar e testar todas as variáveis possíveis e somente depois deste processo que o comando deve ser emitido.

CONTROLE

O controle é a etapa que sustenta um comando bem executado. É no controle que a tensão aflora e os nervos devem ser controlados. Foco, determinação e perseverança são fundamentais durante este processo.

ANÁLISE

A análise é a observação da situação. Nestas horas, as variáveis surgem e o cenário se transforma. Portanto é preciso analisar todas as consequências de cada ação a ser tomada e flexibilizar a operação conforme a situação.

Se a polícia entrar por aqui, eu vou pelo mato. Temos que ser criativos, inovadores e fazer diferente da concorrência”.

Rodrigo Pimentel.

O QUE TODO TIME DE ELITE FAZ: AMAR

Sim, é isso mesmo que você leu. Rodrigo comenta que o diferencial de um grupo de elite para outro qualquer é o amor pelo time.

O amor é inspirador e o orgulho é catalisador do sucesso, complementa o ex-capitão do BOPE. É por isso que os membros da tropa tatuam na pele o símbolo que os representa. É questão de compromisso firmado.

É aí que entra aquela famosa cena do filme Tropa de Elite 1, confira:

Segundo Pimentel esta é uma cena de amor e a maior prova de amor pelo BOPE é afastar aqueles que fazem mal ao time, à corporação.

​”O cara pode até servir pra jogar futebol comigo, mas trabalhar no meu time não, o cara vai me afundar.”

E você, concorda com as palavras de Rodrigo Pimentel ou é capaz de perceber algum outro ponto em comum de sua tropa com o BOPE? Deixe seu comentário e compartilhe a sua história com a gente.

Depois de todos os comandos desse texto, é hora de planejar a estratégia e garantir a excelência da execução:

[eBook]

AÇÕES NO PONTO DE VENDA:
COMO CRIAR E MENSURAR A EFETIVIDADE COM UMA TECNOLOGIA

1 comentários

Cristian José Kons
Cristian José Kons 11 janeiro, 2018 - 10:51

Que foda todas essa analogias. Achei sensacional mas utópico culturalmente na grande maioria das empresas brasileiras. Mas parabéns pelo artigo, sensacional.

Reply

Deixe seu comentário